Se você quer um mundo novo e melhor, comece por você!

Venha você também trabalhar por um mundo melhor em 2017.
Abrace um Ideal de Vida e junte-se a nós!

Últimos Artigos

Como enfrentar as crises

Como enfrentar as crises

Posted by Pedro Henrique on nov 2017

– O que é crise?             Entende-se por crise, todo o estado de tribulação que põem em risco a nossa estabilidade e harmonia, neste contexto temos diversos tipos e abrangências de possíveis crises, quanto a amplitude, estas podem ser individuais ou coletivas, e quanto ao campo de atuação, as crises podem se manifestar em praticamente todos os campos da vida, seja no campo emocional, econômico, da saúde, político e em todos os demais possíveis.   – São as crises negativas e para que servem?             Muito embora seja o mais comum encararmos as crises como fases negativas na nossa existência, estas, por piores que possam parecer não são de natureza má, pois, num primeiro momento trazem consigo a possibilidade do autoconhecimento e em seguida a possibilidade da evolução através da ação consciente sobre si mesmo. Toda adversidade traz implícita sua natureza reveladora, ou seja, num primeiro momento, para um ser desperto ou já aberto para o caminho evolutivo, possibilita o autoconhecimento, bastando focarmos a nossa atenção para observar os detalhes da forma com que somos atingidos e a nossa própria reação ante a crise, sempre revela o quanto temos trabalhado as nossas virtudes, ou inversamente, o quanto estamos ainda mergulhados nos nossos vícios. Somente após identificarmos nossas fraquezas, poderemos então agir com consciência sobre nós mesmos, objetivando nos alquimizar. As crises são negativas e continuarão sendo, sempre para aqueles que persistem em continuarem mergulhados na ignorância, porém, para aqueles que estão procurando o caminho da espiritualidade, todas as crises lhes serão úteis de alguma maneira.   – A quem as crises atingem? Sempre atingiram e sempre atingirão aqueles que...

Veja mais
O vício da recompensa

O vício da recompensa

Posted by Pedro Henrique on out 2017

O VÍCIO DA RECOMPENSA    Os vícios sempre foram assunto amplamente discutido entre os filósofos e religiosos, ou todos aqueles ocupados com o entendimento e estudo do comportamento humano.   Classificações e definições dentro da Psicologia demonstram que são muitos os vícios que podemos adquirir ao longo da vida, desde pequenos vícios aparentemente inocentes até vícios considerados mais destrutivos.   Porém, de uma maneira geral, atemo-nos ao estudo e combate aos vícios mais agressivos e de conhecimento comum, como o cigarro, a bebida, drogas e jogos de azar. Não obstante, não deixa de ser importante que os combatamos, dominando-os e os expurgando das nossas vidas, ainda perdurará o mais sutil de todos os vícios, aquele que tem cumprido sua missão durante milênios, escravizando a humanidade e prejudicando a nossa marcha na busca de nos tornarmos verdadeiramente seres humanos e amorosos.   O que denominamos “vício da recompensa” trata-se, como todo vício, de um hábito que, na qualidade de hábito, repete-se inconscientemente nas nossas vidas sem sequer percebemos.   Para melhor compreensão, podemos dividir a nossa mente em duas partes. Uma delas chamaremos mente analítica e a outra de mente reativa. A primeira possui a função de analisar, quantificar, estabelecer a constatação e o entendimento de um fato, que num segundo momento é conduzido à segunda mente denominada reativa. Esta provocará uma reação condizente com o fato apresentado, sendo que esta reação é produzida inconscientemente e com base nos valores e crenças que formatam nossos parâmetros de vida que, como um gatilho, dispara determinada reação sempre que aquela situação provocativa ocorrer.   Um destes parâmetros a nós impostos pela sociedade...

Veja mais
A proatividade

A proatividade

Posted by Pedro Henrique on set 2017

A  PROATIVIDADE                           Quando observamos o mundo e as pessoas que hoje compõem a nossa sociedade, podemos tem uma primeira impressão de que ela consiste em sua maioria de pessoas bem ativas ou proativas, porém, se avaliarmos com maior acuidade poderemos ter uma grande decepção, pois, há um engodo que nos faz crer em algo que não expressa o verdadeiro sentido da proatividade. Primeiramente creio que cabe enfatizar que existe uma diferença entre ser ativo e ser proativo, porém, necessário se faz analisarmos também uma outra categoria de pessoas ou comportamento que consiste na passividade. Isto posto, analisemos cada um dos aspectos dos três tipos de comportamento onde necessariamente todos de uma maneira ou outra se enquadram.   A PASSIVIDADE – Esta categoria de comportamento á a mais comum e compreende a psique da maioria das pessoas, ela consiste na adoção de um comportamento consubstanciado na inércia e que se apóia nos vícios da preguiça, da indolência, da negligência, da desídia, e da falta de responsabilidade na vida.   As pessoas que compreendem este grupo trazem traços de comportamento em comum, sejam eles:   O medo – Normalmente carregam em si o medo da morte e por conseqüência o medo da vida, pois ao mesmo tempo que temem a morte, desperdiçam suas vidas fugindo das responsabilidades, agem e deixam de agir movidas pelo medo, tem medo de tudo, de perder o emprego, de ficarem sozinhas, de adoecerem, de envelhecerem, etc. De forma que suas ações não ocorrem pelo motor da utilidade, da busca pela mudança e do crescimento do todo e de si mesmo, alimentam em si mesmas...

Veja mais