Por onde entra o mal em nós?

Por onde entra o mal em nós?

Todos acham que estão no bem, atribuem a causa do mal em suas vidas às circunstâncias e pessoas. Porém, será isso uma verdade? Vejamos o que a filosofia pura nos tem a dizer:

Nossa mente descontrolada é o Ego descontrolado e, como não somos o nosso Ego, passamos a improvisar a nossa vida sobre os valores egóicos que são, por sua natureza, egoístas. A técnica do Ego é simples: baseamos tudo o que vivemos em crenças pré-estabelecidas, que não possuem qualquer profundidade, não atingem nosso verdadeiro SER e por consequência mantêm-nos longe da “verdade” e da “iluminação”, mantendo a nossa vida e tudo o que fazemos no campo da superficialidade. Por isso, percebemos que as pessoas e as instituições de toda sorte que não são verdadeiras e não funcionam não merecem crédito, pois não são dignas de confiança.

O Ego, uma vez tendo dominado nosso verdadeiro SER para nos manter na ilusão, cria uma ferramenta de proteção que ajuda a selar a farsa, esta ferramenta chama-se “falsa ética”, ou seja, acaba-se elegendo uma bandeira sob qualquer título, porém que aparentemente simula alguma virtude. Desta forma, apossamo-nos desta falsa virtude que nada mais é do que a falsa ética que será exposta e impressa na nossa bandeira, e a partir daí acreditamos que estamos vivendo no “bem”.

Essa falsa ética pode ter muitas faces, por exemplo, alguma ação que fazemos frequentemente de ajuda a alguém e que normalmente consiste em doar algo, como roupas usadas, alimentos, ou mesmo dinheiro. Pode ainda apresentar-se através de algum trabalho voluntário, algum comportamento ao qual podemos atribuir um nome digno que passamos a acreditar seja verdade, como: eu sou justo, generoso, não faço mal a ninguém, não roubo, não mato, sou trabalhador, ou mesmo, por frequentar alguma instituição religiosa nos autoelegemos religiosos e espiritualizados.

Essa ferramenta do Ego é poderosa e mantém a maioria das pessoas no autoengano, acham que simplesmente por trabalharem, por não roubarem, ou por doarem algum dinheiro a uma instituição de necessitados, são pessoas do bem, porém, na grande maioria dos casos, não o são.

Na verdade, estamos iludidos pela falsa ética, não estamos vivendo no bem, mas sim no mal, e se isso o chocou ou o incomodou de alguma forma, cuidado, preste mais atenção em você mesmo e no meio em que vive.

Os fatos não mentem. Quando alguém se diz estar no bem, isso não pode ser simplesmente palavras. Se de fato está no bem, a sua vida espelhará o bem em todos os campos, ou seja, sua saúde certamente será positiva, assim como a sua vitalidade, suas emoções e sua mente. Isso refletirá numa pessoa equilibrada, com uma família equilibrada, finanças equilibradas, relações interpessoais sadias, emocional equilibrado e assim por diante.

Porém, não é o que se vê. A realidade do mundo é outra, o que vemos são pessoas que não sabem por que trabalham ou fazem de tudo para não trabalhar colocando-se na inutilidade. São infelizes, dependentes de medicamentos diversos, obesas, não têm paz interior, com famílias desestruturadas, sem valores morais e de respeito ao próximo, pessoas competitivas que procuram ser melhores que os outros e não melhores que si mesmas a cada dia. A inveja e a desatenção permeiam suas vidas, são depressivas, e mal-agradecidas, pedintes, pois estão sempre carentes, querem ser amadas a qualquer preço, todavia não querem se doar. Virtudes como honra e magnanimidade são desconhecidas, fofocam e falam mal de tudo e de todos, principalmente dos ausentes que não podem se defender. Comem de forma errada e em demasia, ingerem álcool, tóxicos, guardam mágoa, criticam, não dão o seu melhor no que fazem, se auto-violentam, vivem uma vida de indolência principalmente a indolência espiritual, desta forma escolhendo sempre o menos adequado para o seu verdadeiro SER, ou seja, vivem no mal achando que estão vivendo no bem.

Vivem a ilusão da falsa ética e esta ferramenta pode também ser desvendada pelo simples observar de que, as pessoas que vivem no mal, naturalmente deixam que o mal entre nelas, assim como as que vivem no bem permitem o acesso do bem às suas vidas. Essa ação é inconsciente, porém é assim que funciona: energias iguais se atraem.

Por onde entra o mal na sua vida?  Simples resposta, o mal entra pelo mal que há em você. Na medida em que este mal for sendo “alquimizado” pelo bem, automaticamente você terá a sensação de se estar afastando do mal.  Entretanto, se observar melhor, verá que aquelas pessoas que outrora o incomodavam, os fatos que outrora o ofendiam, que não lhe permitiam dormir, que o magoavam etc. continuam ao seu redor e continuam acontecendo, porém agora não mais o atingem, o que mudou então?

O mestre Jesus disse-nos para orar, porém não deixar de fazer aquilo que tem de ser feito, e por consequência verá os milagres acontecerem. Sábias palavras que traduzidas significam: Ative-se no bem e o bem do Universo se ativará em você, pois o bem somente pode entrar em você através do bem que efetivamente você vive.

Outra máxima que fica esclarecida com esse ensinamento é a que diz: “não julgues para não seres julgado, pois com a mesma medida que julgares serás julgado.“, ou seja, tanto o bem quanto o mal entram em você pelo bem e pelo mal que permeia a sua vida interior.

Alguns se perguntam se a magia negra pode ou não atingir as pessoas e, se prestaram atenção no texto, perceberão que a resposta  tanto pode ser “sim” como “não”, dependendo da situação de cada um, pois mesmo que não se duvide da existência de forças negativas, estas somente nos atingirão à medida que encontrarem identificações da sua própria natureza dentro de nós, como por exemplo, o medo e a fraqueza de caráter, ou seja, as mesmas debilidades que motivaram o agente agressor que patrocinou a magia negra. Por isso, quando respeitamos a magia negra, de certa forma estamos agindo no amor, e evitamos sermos atingidos, porém quem abusa, zombando, abre-se nas suas defesas psíquicas para ser atingido.

Alguém perderia tempo e dinheiro fazendo um trabalho de magia negra contra Buda ou Jesus?

Destarte, ative-se no verdadeiro bem, a cada dia, reelaborando sua autoimagem a cada momento, permita-se desmascarar-se através da autoanálise sincera, observe se de fato está no bem, reavalie a sua vida e não tema o mal, pois o próprio temor já é o mal.

Estar no bem é amar-se.

 

Ame-se…

1 Comment

  1. A resposta não sai entra em nòs, ele sai de nós, por que e algo que está arraigado nas entranhas genética do ser humano. Como o mestre Jesus disse: ” O que contamina não é o que entra mais o que sai.”

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *