O que é Liberdade?

O que é Liberdade?

 

                                               O QUE É LIBERDADE ?

 

Neste artigo discorreremos acerca de um dos tópicos mais importantes dos tantos que comportam a Filosofia. O que de fato é a liberdade e como conquistá-la?

Para conquistarmos algo, primeiramente precisamos saber o que seja este algo, onde está, para então compreendermos a melhor forma de executar a tarefa. Imagine-se numa guerra como responsável por uma tropa do exército e, repentinamente, recebe uma ordem superior para conquistar território. Entretanto, não recebe a informação de qual território deverá ser conquistado, qual a direção e distância, ou seja, sem as coordenadas corretas. Provavelmente moverá as forças para conquistar áreas sem importância, que além de não serem estratégicas para o ganho da batalha, ainda consumirão a energia e o tempo dos quais dispunha para fazer aquilo que de fato deveria fazer.

Desta mesma forma é o nosso movimento para conquistar a nossa liberdade. Primeiramente devemos ter claro o que de fato seja “liberdade”, para então podermos caminhar em sua direção.

A definição para liberdade que prevalece hoje, no campo físico é a capacidade de cada um em locomover-se livremente, gozando do sagrado direito de ir e vir, ou seja, poder ir a qualquer lugar que lhe convenha; nos campos emocional e mental, é poder expressar-se da forma que acredita ser a certa, ou ainda, falar e escrever o que entende certo sem censuras sejam quais forem, e por fim entendemos também por liberdade o descompromisso que teoricamente nos daria mais tempo para fazermos o que desejamos.

Interessante raciocínio que podemos fazer é imaginarmos se a qualidade de “ser livre” pode e deve conviver com vícios e conflitos internos, ou seja, se alguém de fato que é livre, não implicaria também necessariamente ser uma pessoa feliz, equilibrada, serena, pró-ativa, amorosa? Enfim, o estado de liberdade, necessariamente andaria junto com outras qualidades? Ou a contrário senso, deveremos acreditar em alguém que se diz “livre”, porém ao mesmo tempo é depressivo, rancoroso, inerte, desequilibrado, ansioso?

Se aceitarmos que alguém de fato que conquiste a liberdade também naturalmente conquistará as demais virtudes acima relacionadas, podemos também concluir que as pessoas que vivem as problemáticas acima descritas, não são livres, independentemente do espaço físico que tenham sob seu acesso, ou ainda quais os meios de propaganda que tenham acesso para livremente exporem as suas idéias.

Assim sendo, podemos concluir que liberdade na verdade não traz necessariamente uma relação direta com o direito de ir e vir, ou ainda de se expressar livremente sem censura, pois, quantos homens conhecemos que possuem carros velozes, motocicletas, ou ainda que não têm compromisso com nada, ou até possuem aviões, porém que não desfrutam sequer de dez minutos de serenidade na vida e necessitam de psicotrópicos para dormir?

Agora, então, que sabemos o que não seja liberdade, possivelmente possamos evoluir na sua definição. Entretanto, devemos ainda raciocinar sobre uma das definições que mais confundem os estudantes de Filosofia e Esoterismo, que é confundir “livre-arbítrio” com liberdade.

Para melhor esclarecer, o livre-arbítrio é a faculdade que todos nós temos de agir de uma forma ou de outra. Em outras palavras, seria a nossa capacidade de escolha, que por si só não implica liberdade, e sim uma ferramenta de conhecimento prático, pois podemos aprender com nossas escolhas, tanto com os acertos quanto com os erros, e continuarmos ainda a afirmar que isso não consiste na verdadeira liberdade.

O livre-arbítrio está na medida da nossa ignorância, ou seja, somente existe capacidade de escolher entre duas coisas quando não sabemos com certeza qual é a melhor, isso implica que temos a capacidade de escolha, e é por isso que muitas vezes fazemos a escolha errada. A isso não podemos chamar de liberdade, já que se a capacidade de escolha entre duas ou mais coisas representasse a liberdade, levaria à conclusão lógica de que já a teríamos conquistado, uma vez que todos têm esta capacidade.  Destarte, liberdade não pode restringir-se à capacidade de nos fazer o pior através de escolhas mal sucedidas, e sim, fazer o que tem de ser feito.

A verdadeira liberdade, irmã de todas as demais virtudes, está na nossa união com as Leis do Universo, e isto nos traz uma condição de acerto e não de simplesmente possibilidades de erros e acertos. Para que possamos acertar sempre, necessitamos corrigir a causa do que nos faz errar, “a ignorância”, e a única forma é, aos poucos, conhecermos a nós mesmos e conhecermos estas Leis e passarmos a respeitá-las. Desta forma, nos uniremos ao Universo e passaremos a gozar de sua liberdade.

Podemos, então, concluir que ser livre é viver e cumprir as Leis do Universo, ser livre é ser ético, e para conquistarmos essa tão almejada liberdade precisamos buscá-la dentro de nós mesmos, corrigindo os motores das nossas ações e harmonizando nossos pensamentos, atos e palavras com os princípios da ética atemporal.

1 Comment

  1. Nunca havia pensado que a liberdade fosse algo tão simples, porem, como sempre, nunca vamos pelo simples e talvez seja por isso que sofremos tanto na nossa vida. Com certeza vou procurar me conscientizar muito mais com as leis do Universo e assim sendo conquistar a minha tão sonhada LIBERDADE.

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *