A crítica: por que criticamos tanto?

A crítica: por que criticamos tanto?

A crítica advém do julgamento vicioso: ela serve para afastar a atenção sobre nós mesmos e para afugentar a possibilidade de nos autoencararmos. Assim sendo, a pessoa fica alerta a tudo o que se passa ao seu redor, a fim de criticar a maioria das ações dos outros. O que leva alguém a agir assim é o fato de temer os mesmos problemas que critica.

Obviamente esta pessoa não tem consciência disto e critica com base em seus valores pessoais, apegando-se a qualquer mínimo gesto do outro. Por menor que seja o deslize cometido, um motivo para duras críticas já é criado e, a partir daí, desencadeiam-se outras situações. O crítico nem sempre diz o que pensa, mas mesmo permanecendo em silêncio fica indignado com a conduta daqueles que o cercam.

Essa postura compromete em muito o estabelecimento de um bom nível de convivência entre as pessoas, pois quem critica enfraquece a capacidade realizadora do criticado, dificultando assim o seu desenvolvimento espiritual e também o das outras pessoas. Isso impede a colaboração que certamente fortaleceria o grupo familiar ou os demais grupos e, por este motivo, os críticos fervorosos tendem ao longo do tempo a ficar sozinhos.

Ao invés de delegar responsabilidades e dividir as funções, permitindo que cada um participe ativamente e à sua maneira das atividades pertinentes à casa onde mora, o crítico gosta de estar em tudo e não poupa palpites mesmo sem ser consultado. É implicante com tudo, com todos e com o modo como as tarefas são desenvolvidas, além de ter o hábito de corrigir as pessoas que estão ao seu lado e, quando não consegue com que façam de acordo com sua vontade, lança duras críticas.

Essa postura promove a intriga e acarreta excesso de preocupação, ocasionando desgastes desnecessários das pessoas envolvidas e de quem presencia, além de também provocar um mal-estar no ambiente. Mesmo assim o crítico não costuma a se render, uma vez que não reconhece a sua maneira complicada de ser, aproveitando então para lançar mais críticas àqueles que estão ao seu lado.

A crítica é fruto de um pré-julgamento lançado em forma de condenação. No entanto, sabemos que condenar não resolve absolutamente coisa alguma, apenas distancia o crítico das possíveis soluções e tumultua ainda mais o ambiente.

Criticar é atribuir ao outro um desconforto que existe somente dentro do próprio ser que critica. Ser implicante com as pessoas que o cercam representa a projeção de seus próprios conflitos afetivos – é uma espécie de precaução para evitar ser surpreendido por suas próprias atitudes.

De certa forma, o crítico está punindo aqueles que o cercam. Ele age assim para disfarçar a sua revolta por às vezes ter sido muito machucado no passado, projetando a sua discórdia interna naqueles que compartilham de sua vida afetiva atualmente. Ou ainda, age assim por orgulho e fuga de si mesmo, uma vez que criticar é apontar para fora e não para dentro.

A superação desta condição não está na melhora do desempenho alheio – está no reconhecimento do próprio crítico sobre o seu desvio comportamental e no entendimento e aceitação de que cada pessoa é um ser diferente e único. Cada um tem sua individualidade. Na medida em que o crítico passa a resolver as suas próprias chagas afetivas, desprendendo-se do ódio que guarda por aqueles a quem acha que lhe fizeram mal, certamente vai parar de implicar e criticar, restabelecendo o seu bom humor outrora perdido. Passará então a interpretar as situações cotidianas de uma forma mais positiva e não mais negativa e crítica, valorizando mais as outras pessoas, coisa que antes não conseguia fazer. Por fim, cultivará um maior espírito de colaboração, sem se apegar a tantos detalhes e não fazendo mais chuvas com um copo d’água.

Essa reformulação interior é indispensável para que nos tornemos pessoas passíveis de convivência, de modo a fortalecer os laços afetivos e promover uma maior harmonia nos relacionamentos. Além dos benefícios trazidos ao campo emocional, a renovação desta postura beneficia também o campo físico.

Para resolver as mágoas que nos travam no caminho de nossa alquimia interior, faz-se necessário entendermos como elas surgiram em nós. A mágoa é sempre fruto de uma expectativa sobre alguém ou algo, a qual consequentemente foi traída ou frustrada. Normalmente torna-se manifesta quando aquilo que você buscava em um relacionamento ou em uma situação de convivência não foi alcançado.

A pessoa magoada não aceita o fato de que o outro não tem qualquer obrigação de responder aos seus anseios e desejos, não sabendo então respeitar a individualidade alheia. Desta forma, focaliza somente a si mesma, o que restringe a sua ótica sobre a situação, visto que ao mesmo tempo em que acusa o seu companheiro de ser egoísta através da crítica, na verdade ela própria está vivendo egoisticamente, porém não percebe.

Por mais que seja sofrível, o fato é que ninguém é o centro do mundo e que os outros não têm obrigação alguma de girarem em torno de nós. Cada um tem os seus próprios sentimentos e nem sempre pensam como nós. Há de se respeitar isso.

Ademais, devemos entender ainda que a grande parte dos ferimentos causados pelas atitudes dos outros é atribuída também à nossa conduta. Na verdade não existe a vítima da forma como a concebemos, sempre existe uma culpa recíproca – nem que seja em parte, ela existe e muitas vezes são questões de conveniências, de negligência, falta de diálogo, etc. Desta forma, não podemos atribuir ao outro toda a culpa pelos infortúnios causados a nós mesmos.

Consciente disso, não adianta carregar a culpa ou atribuí-la ao outro junto às críticas. É necessário posicionar-se de uma maneira inteligente e filosófica perante a vida, assumindo o presente e parando de viver do passado. É necessário abandonar as mágoas, perdoando e desprendendo-se das críticas e dos julgamentos. O perdão liberta não aquele quem é perdoado e sim aquele quem perdoa.

Os críticos compulsivos, por desarmonia emocional, não conseguem conviver. Normalmente somatizam a energia emocional de seu astral para o físico, dando o surgimento aos cálculos renais.

Portanto, busquemos combater a crítica pela aceitação das diferenças e pelo perdão incondicional.

1 Comment

  1. A autora do livro The work, Byron Katie, mostrou em algumas de suas palestras como na verdade ao criticarmos os outros defendemos o nosso ponto de vista com unhas e dentes, ou seja, queremos ter razão, e não mergulhar e ver a verdade por si só. Sendo assim a um distanciamento e superficialidade excessiva entre os indivíduos.

Trackbacks/Pingbacks

  1. Academia de Filosofia | Jornal Filosófico: Edição nº 01 - [...] A crítica: por que criticamos tanto? [...]

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *