Artigos

Acompanhe nossas publicações e compartilhe-as com os amigos

Como aproveitar bem a vida 1

Como aproveitar bem a vida

COMO APROVEITAR BEM A VIDA   Temos nos deparado quase todos os dias com pessoas frenéticas, muito preocupadas em aproveitar bem a vida, ansiosas pela proximidade do final de semana, contando no calendário a quantidade de feriados e as possibilidades de emendá-los ou, ainda, fazendo contagem regressiva para as tão esperadas e merecidas férias ou até mesmo aguardando a aposentadoria, ocasião em que poderão, então, aproveitar a vida. No entanto, cremos que tudo isto não passa de mais uma das armadilhas e laços da ilusão que nos envolve na matéria, nos cega e nos escraviza, não nos deixando viver intensamente a vida em cada um dos seus maravilhosos momentos, pois estamos sempre tentando viver, em parte, o futuro. Trabalhar aguardando o final de semana é dividir-se, é não estar inteiro no que faz, é desperdiçar parte da nossa já escassa energia prânica. Ora,  alguém que busca o conhecimento e a verdadeira razão da vida não pode se dar a este luxo. Devemos entender primeiramente o que é aproveitar a vida, e para isso podemos utilizar-nos de um paralelo: o exemplo do pai que tinha dois  filhos e a cada um deles deu um automóvel. O primeiro deles, imediatamente após a posse das chaves, já passou a fazer uso do...

Veja mais
A Arte da Gentileza 0

A Arte da Gentileza

                                            A ARTE DA GENTILEZA   Não são raras as vezes em que nos deparamos com determinadas situações que nos fazem pensar: “Não poderia esta pessoa ter sido mais gentil nesta situação…” e muitas destas vezes isso ocorre conosco mesmo, quando começamos a trilhar um caminho de evolução e vamos desenvolvendo nossa auto percepção, de maneira a nos revelar não tão gentis quanto a nossa antiga auto imagem nos fazia crer. O diferencial está em primeiramente podermos perceber que não agimos bem, mas é claro que, mesmo sendo uma auto crítica, esta deve estar livre da culpa, já que a culpa carrega o sentido de auto punição do ego pelo próprio ego, porém, a consciência sobre a nossa falha nos permitirá procurarmos não repeti-la. Mas o que é ser gentil de fato? A questão é bem mais profunda do que podemos imaginar, a falta de gentileza reflete também a falta de amor, de humanidade; carrega uma grande pitada de egoísmo. Muitas vezes não somos gentis porque estávamos preocupados, sobrecarregados de atividades, com o pensamento fora do aqui agora, e deixamos passar a oportunidade de sermos gentis pela nossa incapacidade de viver o presente. Isto reflete também que não estamos atentos, não estamos presentes no momento em que somos solicitados,...

Veja mais
O que é Liberdade? 1

O que é Liberdade?

                                                 O QUE É LIBERDADE ?   Neste artigo discorreremos acerca de um dos tópicos mais importantes dos tantos que comportam a Filosofia. O que de fato é a liberdade e como conquistá-la? Para conquistarmos algo, primeiramente precisamos saber o que seja este algo, onde está, para então compreendermos a melhor forma de executar a tarefa. Imagine-se numa guerra como responsável por uma tropa do exército e, repentinamente, recebe uma ordem superior para conquistar território. Entretanto, não recebe a informação de qual território deverá ser conquistado, qual a direção e distância, ou seja, sem as coordenadas corretas. Provavelmente moverá as forças para conquistar áreas sem importância, que além de não serem estratégicas para o ganho da batalha, ainda consumirão a energia e o tempo dos quais dispunha para fazer aquilo que de fato deveria fazer. Desta mesma forma é o nosso movimento para conquistar a nossa liberdade. Primeiramente devemos ter claro o que de fato seja “liberdade”, para então podermos caminhar em sua direção. A definição para liberdade que prevalece hoje, no campo físico é a capacidade de cada um em locomover-se livremente, gozando do sagrado direito de ir e vir, ou seja, poder ir a qualquer lugar que lhe convenha; nos campos emocional e mental, é...

Veja mais
Traição 4

Traição

TRAIÇÃO   Nas nossas relações sociais sejam de relacionamentos íntimos ou ainda de amizades e/ou profissionais, é bem comum ouvirmos queixas oriundas de alguém que se diz vítima de traição por parte de outro, em especial alguém em quem se depositou confiança e expectativa. Ou ainda, por que não, nós mesmos nos sentirmos traídos pelo comportamento de outrem o qual não concordamos e por fim rotulamos como uma “traição”. Neste artigo procuraremos explorar um pouco mais sobre a raiz do termo traição, que hoje é um conceito fechado no contexto de alguém romper com as regras de um trato, de uma promessa ou contrato. Vejamos abaixo outras maneiras e pontos de vista que poderão contribuir para ampliarmos e aprofundarmos o conceito do que seja traição.   Toda promessa encerra em si uma mentira – Observemos que quando firmamos um contrato, os compromissos ali assumidos valem como verdadeiros tendo em conta que as condições iniciais do contrato prevaleçam as mesmas, premissa esta que consta no nosso ordenamento jurídico, que prevê se mudadas as condições, as quais foram o contrato firmado entre as partes, suas cláusulas de direitos e obrigações ficam prejudicadas, recomendando-se que sejam repactuadas ante a nova realidade dos fatos. Dentro do contexto filosófico a ideia não é diferente,...

Veja mais
Por onde entra o mal em nós? 1

Por onde entra o mal em nós?

Todos acham que estão no bem, atribuem a causa do mal em suas vidas às circunstâncias e pessoas. Porém, será isso uma verdade? Vejamos o que a filosofia pura nos tem a dizer: Nossa mente descontrolada é o Ego descontrolado e, como não somos o nosso Ego, passamos a improvisar a nossa vida sobre os valores egóicos que são, por sua natureza, egoístas. A técnica do Ego é simples: baseamos tudo o que vivemos em crenças pré-estabelecidas, que não possuem qualquer profundidade, não atingem nosso verdadeiro SER e por consequência mantêm-nos longe da “verdade” e da “iluminação”, mantendo a nossa vida e tudo o que fazemos no campo da superficialidade. Por isso, percebemos que as pessoas e as instituições de toda sorte que não são verdadeiras e não funcionam não merecem crédito, pois não são dignas de confiança. O Ego, uma vez tendo dominado nosso verdadeiro SER para nos manter na ilusão, cria uma ferramenta de proteção que ajuda a selar a farsa, esta ferramenta chama-se “falsa ética”, ou seja, acaba-se elegendo uma bandeira sob qualquer título, porém que aparentemente simula alguma virtude. Desta forma, apossamo-nos desta falsa virtude que nada mais é do que a falsa ética que será exposta e impressa na nossa bandeira, e a partir...

Veja mais
Libertando-se dos vícios 1

Libertando-se dos vícios

Os vícios vêm perseguindo o homem desde seu primeiro contato com a razão, ou seja, quando adquirimos o livre arbítrio, pois, até então, por estarmos numa condição inferior, agíamos por instintos, assim como agem os animais. Desde essa data o homem foi apresentado para o vício. Os vícios podem ser definidos como hábitos perniciosos, ou seja, tudo aquilo que repetimos sem controle e sem consciência, que não segue uma linha de conduta ética/moral. Não se trata simplesmente de um hábito, pois o hábito é um costume não necessariamente prejudicial. Por exemplo, podemos ter o hábito de diariamente ouvir música clássica, ou organizar nosso quarto ao levantar, entre outras atividades que importam em condutas positivas e não negativas. Quando falamos em vícios, de pronto vêm às nossas mentes atitudes perniciosas como o alcoolismo, a toxicomania, o jogo de azar, ou ainda outros voltados ao campo sexual. Entretanto, devemos ampliar nosso campo de entendimento com relação ao vício e entendermos que a questão é bem mais ampla do que pode parecer. Tendo como definição que vícios são hábitos em primeiro lugar nocivos a nós mesmos e àqueles que nos cercam, e entendendo por hábito uma ação que repetimos por automatismo e sobre a qual não temos controle de mando, conclui-se que...

Veja mais
O que é Justiça? 0

O que é Justiça?

Segundo o filósofo Platão, justiça é dar a cada um aquilo que lhe é próprio.  Podemos afirmar que seja de fato uma definição bem simples sobre o que seja justiça, já que este é um assunto polêmico e que tem dividido muitas opiniões até os dias de hoje. Entretanto, não podemos negar que tal definição sobre justiça seja de fácil entendimento, o que vem endossar o axioma de que as coisas mais simples são as de mais difícil acesso Este artigo tem por finalidade destrincharmos um pouco mais a definição platônica, para que também através de palavras simples, possamos ajudar na compreensão de tão importante definição. Interessante é que a grande maioria das pessoas se ocupa de muitos relatos os quais denominam de injustos, porém nem sempre a visão da injustiça é unânime, principalmente se consultarmos as pessoas diretamente envolvidas no fato. Nesse caso, certamente obteremos ao menos uma opinião divergente sobre o mesmo fato. Isso ao menos significa que a visão de justiça e injustiça merece uma reflexão um pouco mais apurada. Segundo a visão comum de Deus ou da Divindade mais próxima de cada um de nós, certamente esta converge para a justiça, ou um estado de justiça, pois jamais associamos uma ideia Divina com a injustiça,...

Veja mais
Responsabilidade 0

Responsabilidade

Palavra que pesa e na maioria das vezes é mal entendida. Nossa concepção de alguém responsável implica a idéia deste alguém zelar por seus objetos, cumprir os horários de compromissos, ser um bom pai cuidando e provendo sua família ou, ainda, fazer as tarefas da escola, do trabalho ou de casa, as quais lhe competem. Bastaria isto para alguém então já ser considerado apto a merecer honrosamente o título de responsável. Porém, cabe-nos, ainda, uma análise um pouco mais profunda antes de entregarmos este diploma de responsabilidade, pois não são raros os casos onde este alguém, que veste este manto da responsabilidade, por ação das circunstâncias da vida, tornar-se causa de um fato o qual chamamos de erro que, por consequência, traz prejuízos a outrem e, nesta hora, pergunta-se:  quem foi o responsável? Ora, na prática nós já conhecemos que em noventa ou mais por cento dos casos, jamais este se apresenta e assume que foi ele a causa do problema. Na grande maioria das vezes, ouvimos as famosas desculpas, explicações infindáveis que, por derradeiro, apontam causas externas para então justificar sua inocência e o que, a princípio era causador, passa então a ser vítima. Estes são nossos limites, os limites que nós mesmos nos impomos porque muitas vezes...

Veja mais
Por que adoecemos? 2

Por que adoecemos?

Se esta pergunta for feita a algum cientista da área médica nos dias de hoje, certamente teremos uma resposta dentro do campo da patologia, atribuindo suas causas a viroses, ou a qualquer outro desequilíbrio funcional do nosso organismo e que, na maioria das vezes, é suficiente para justificar sua existência.  Porém, esta mesma pergunta,  dirigida a um filósofo, provavelmente terá respostas de certo surpreendentes para quem vive cercado de referências materialistas. Vejamos, então: As doenças acompanham a humanidade desde seu surgimento e vêm ao longo do tempo, como qualquer ser vivo,  adaptando-se às novas condições impostas pela natureza humana. As doenças não existem para o homem, muito menos o homem para as doenças, e sim cada um deles está no seu papel, como num teatro onde os personagens interagem cada um na sua função. Temos de, primeiramente, entender que não somos o centro do mundo, muito menos o centro do universo, somos simplesmente parte disso tudo. Não há como fazer uma peça de teatro apenas com o iluminador. O evento somente será possível se cada um fizer a sua parte, ou seja, se alguém da equipe não cumprir com seu dever, provocará um desequilíbrio no sistema e, consequentemente, uma contraforça surgirá, independentemente da vontade do agente, que visará ao...

Veja mais
O poder das pequenas coisas 1

O poder das pequenas coisas

 Versão do artigo em áudio para ouvir no celular, no carro, passar para o pen-drive, etc. Clique aqui com o botão direito do mouse e escolha “Salvar destino como…”. http://academiadefilosofia.org/wp-content/uploads/2016/07/Academia-Poder-das-pequenas-coisas.mp3   Nosso Ego costumeiramente despreza o pequeno e valoriza o grande. Faz isso por uma questão de vaidade, pois o grande nos parece mais compensador, é onde todos focam a sua atenção, é onde as coisas acontecem. Entretanto, esquecemo-nos de que todo o grande é formado do pequeno, a figura do grande não passa de uma forma mental e as coisas acabam por ter o valor que damos a elas. Neste diapasão, achamos que temos de ampliar as nossas conquistas e a vaidade nos conduz a buscar o grande. Desta forma, optamos por ter automóveis maiores, mas normalmente andamos sozinhos neles, casas enormes com três, quatro banheiros ou mais, porém, nela moramos em duas pessoas, ou muitas vezes sozinhos, e assim por diante, de maneira que procuramos expandir sempre buscando as grandes coisas, mais focados em satisfazer a vaidade do nosso Ego do que efetivamente pelo valor que estas grandes coisas de fato possam ter. No Egito Hermes Trimegisto, o três vezes grande,  deixou-nos um ensinamento numa máxima que dizia: ASSIM É EMBAIXO COMO É EM CIMA, ou seja,...

Veja mais